window.location.href = 'http://www.ardinadoalentejo.pt';

quarta-feira, maio 27, 2009

Justiça de MERDA


Peço desculpa pelo título deste meu escrito mas nesta altura é o que me vai na alma.
A pequena Alexandra foi entregue pelo Tribunal da Relação de Guimarães à sua progenitora e retirada à família de acolhimento que a recebeu quando ela tinha apenas 17 meses, contrariando assim uma decisão do Tribunal de Barcelos, de uma instância inferior.
Chega o colectivo de juízes ao ponto de dizer que a mãe de acolhimento “é desequilibrada”, como referem no acórdão. E a mãe biológica é pura do caixote? Presa pela PSP por dormir na rua embriagada, é isto uma mãe séria? Esquecer-se da filha, com apenas seis meses, nos cafés onde apanhava pielas e onde saía com outros homens, é isto uma mãe séria?
Agora os senhores doutores juízes não querem dar a cara nem falar aos órgãos de comunicação social porque fizeram borrada.
As recentes imagens mostradas pela televisão portuguesa, onde se vê a pequena Xaninha a levar umas palmadas espelham bem o suplício por que vai passar este inocente. Se isto aconteceu com as câmaras ligadas, imaginem lá quando estiverem sozinhas em casa…
Tudo não passa de um esquema político. É a Rússia e tal… temos de prestar vassalagem e hoje, a gota que fez transbordar o copo.
Convidados por um canal de televisão russa, a NTV, a participarem num programa de debate sobre todo este caso, a família de acolhimento viu hoje ser-lhe recusado o visto, de apenas 36 horas, para permanecerem na Federação Russa. Mas nós, os portuguesinhos, entregámos uma cidadã nacional, uma PORTUGUESA a um país do qual ela não sabe uma única palavra.
Segundo a Embaixada, para a concessão do visto é necessário um convite oficial da televisão russa e uma autorização expressa dos serviços de imigração daquele país. Nesta altura, o advogado do casal está convencido de que a família Pinheiro não vai mesmo receber os vistos para viajar até à Rússia, onde Alexandra se encontra.
Curiosa uma reportagem do correspondente da Antena 1 na Rússia. A justiça portuguesa é a primeira justiça mundial que entrega uma criança, nascida noutro país, à sua progenitora russa. O mesmo jornalista revela que na França, houve mais de 40 casos idênticos ao de Alexandra e as crianças ficaram no seu país de origem, a França, à guarda de famílias de acolhimento francesas.

A justiça portuguesa não soube acautelar um eventual desenvolvimento negativo da relação entre a criança e a mãe. Por exemplo, qualquer contacto entre Alexandra e o casal português que a criou entre os 17 meses e os seis anos só acontecerá por boa vontade, ou das autoridades russas ou de quem tiver a sua tutela.

Tínhamos de ser pioneiros. Tínhamos de ser os primeiros. Fomos os primeiros a fazer… MERDA.

segunda-feira, maio 18, 2009

A Gaivota de Amália na voz da Sónia

Novo e interessante projecto da música portuguesa.
O projecto HOJE conseguiu unir o pop dos The Gift, através de Sónia Tavares e Nuno Gonçalves, líder do projecto, ao metal gótico dos Moonspell, na pessoa de Fernando Ribeiro e ao rock de Paulo Praça, dos Turbojunkie.
Estes artistas uniram-se e lançaram a 27 de Abril, um inovador álbum tendo como pano de fundo Amália e a sua música.
«Amália Hoje» transporta-nos para o mundo da diva do fado mas numa sonoridade completamente diferente, é um álbum que revisita 9 fados interpretados e imortalizados por Amália Rodrigues, agora à luz da sonoridade pop.
Este é um trabalho que surge no ano em que se completa uma década da morte da cantora.
«Amália hoje» é descrito por Nuno Gonçalves como "um disco épico, muito orgânico, mas pesado em termos de produção", já que contou com gravações em Londres com a London Session Orchestra e foi misturado em Dublin e Madrid. O músico acredita que o álbum tem potencialidade para ser editado também no estrangeiro e pode sobreviver à existência do próprio grupo, criado de propósito para este projecto editorial. Nuno Gonçalves não descartou ainda a hipótese do álbum ser transposto para o palco.
O Estremoz Soeiro apresenta-lhe o vídeo do tema Gaivota... digam lá se não está espectacular...
Só falta agora virem também dizer que se estão a estragar as músicas, desvirtuaram o som e tal e coiso...

video

quinta-feira, maio 14, 2009

Inimputável????

Não tenho por hábito acompanhar os noticiários da TVI, aliás chego mesmo a detestar ver os serviços noticiosos da estação liderada por José Eduardo Moniz, e não julguem que isto tem alguma coisa a ver com os ataques da Manuela Boca Guedes ao Sócrates e seus familiares... Este meu ódio de estimação já vem de longe, mas durante uma viagem pela net e pelos vários espaços informativos que pesquiso, deparei-me com a noticia que vos deixo mais abaixo no site http://www.tvi24.iol.pt.

Após ler a mesma fiquei incrédulo. "O menor está neste momento institucionalizado, em Coimbra, dada a sua inimputabilidade."
Inimputável após cometer violação? Com 16 anos? Não sabia o que estava a fazer? Eu sabia bem o que lhe fazia...

Mulher violada reconhece menor que a atacou
Foi identificado e localizado pela Polícia Judiciária, na segunda-feira, um menor de 16 anos suspeito de roubo e violação de uma mulher de 26 anos, em Coimbra, segundo comunicado da PJ. Fonte da PJ disse ao tvi24.pt que apesar de menor, a posse de uma faca e um porte suficientemente atlético permitiu que ele conseguisse atingir o seu objectivo. A vítima reconheceu pessoalmente o jovem.
Um menor de 16 anos foi identificado e localizado pela Polícia Judiciária, através da Directoria do Centro.
O menor, segundo fonte da PJ disse ao tvi24.pt, terá ameaçado a vítima de 26 anos com uma faca, considerada arma branca, com o objectivo de a assaltar. No entanto, a PJ presume que a falta de dinheiro na carteira da vítima, terá levado o menor a incorrer no crime de violação.
O acontecimento teve lugar na margem esquerda do Mondego, mais propriamente entre a Escola Silva Gaio e o Fórum Coimbra e no mês de Abril, de acordo com a confirmação de fonte da PJ ao tvi24.pt.
A vítima apresentou queixa e o menor terá sido identificado a partir de reconhecimento pessoal feito pela mulher.
O menor está neste momento institucionalizado, em Coimbra, dada a sua inimputabilidade.
Segundo fonte da PJ, o menor encontra-se na mesma instituição onde tem estado até à ocorrência dos crimes. Está neste momento a aguardar que a PJ finde os trâmites normais do processo e que o caso seja remetido para o Tribunal de Menores.
A mesma fonte da PJ disse ainda ao tvi24.pt que o presumível autor dos crimes aparenta ser oriundo de ex-colónias e que apresenta um porte físico considerável que juntamente com a posse da arma branca terá tido a força suficiente para cometer quer o crime de roubo quer o de violação.